Curta a página do Parque do Capetinga noFacebook
Open
X

Flora.

FLORA

Entre as plantas raras que ocorrem na RPPN Parque Capetinga, destaca-se o Maracujá-anão (Passiflora clathrata) que, segundo Durigan et al. (2004), trata-se de uma espécie muito rara, estando na lista oficial das espécies ameaçadas do Estado de São Paulo (D.O.E. de 10/03/1998) na categoria “presumivelmente extinta”. É uma planta herbácea de até 30cm que ocorre nos campos sujos e cerrado ralo da RPPN Parque Capetinga.

Foram observadas, até o momento, 124 espécies, agrupadas em 90 gêneros e 49 famílias. Do total das 124 espécies, 90 (71,4%) foram identificadas no nível específico, 35 (28,2%) no nível genérico e 1 espécies apenas no nível de família.

Leguminosae com 17 espécies, seguida de Rubiaceae, Euphorbiaceae e Cyperaceae com 07, Vochysiaceae com 06 e Clusiaceae com 05 foram as famílias que mais se destacaram em número de espécies. Vinte e seis famílias (30%) foram representadas por apenas uma espécie. As famílias com maior número de gêneros foram Leguminosae (13), seguida de Rubiaceae (5), Bignoniaceae (4) e Cyperaceae (4). Vinte e nove famílias (58%) apresentaram apenas um gênero. Do total de 90 gêneros identificados, 64 (71%) apresentaram apenas uma espécie.

Das 124 espécies observadas na RPPN Parque Capetinga, no presente estudo, 39 (31,4%) são ervas, 31(25,0%) arbustos, 22 (17,7%) árvores, 16 (12,9%) subarbustos, 15 (12,1%) arvoretas e três (2,4%) trepadeiras. Ou seja, uma primeira análise indica que para cada espécie de árvore (incluindo as arvoretas), há 2,4 espécies não arbóreas na RPPN.

A RPPN Parque Capetinga, assim como o restante da propriedade, abriga elevado número de plantas úteis. Entre as medicinais podemos destacar algumas de extraordinário valor, tais como: Copaíba; Paratudo; Guaçatonga, aroeirinha, apiá; Ipê – Tabebuia sp.; Japecanga

UA-31649341-1